O que é?

O projeto Arte de Mulher celebra e divulga as inúmeras formas de ser mulher.

Por que?

Os costumes, tradições e identidades mudaram radicalmente nos últimos 50 anos. Pela primeira vez em nossa história, a pessoa pode definir seu gênero, sua orientação sexual, sua profissão, seu papel na família, sua aparência e sua forma de interagir com a sociedade. A capacidade de definir “que sou eu” expande nossas liberdades pessoais e, ao mesmo tempo, provoca medo e confusão nos outros. Para todos os avanços dos direitos humanos que ocorreram, ainda há muito a ser feito, ou melhor, desfeito.

Arte de Mulher tem como proposta:

  1. Destacar que cada mulher é única e não representa as outras e ela, por si só, tem alegrias, dores, sofrimentos e aprendizados que merecem ser compartilhados. Aqui não há um perfil definido de uma mulher fotógrafa, ou atleta, ou trans, ou mãe sola, etc. — haverá tantos quantos existem e se disponibilizem a serem entrevistadas, porque cada mulher, seu contexto e suas escolhas são particulares. Isso não significa que ninguém passa por situações semelhantes, somente que a história de cada uma não substitui as histórias das outras.
  1. Combater o preconceito, o medo, e a intolerância. Olhar para uma mulher e não saber quem ela é— qual é a sua genitália, por quem ela sente atração, onde ela trabalha, quais tarefas ela assume em casa, se ela vai dizer sim ou não, os desafios emocionais, físicos e mentais que ela enfrenta—gera grande desconforto numa parcela da população. Nossos cérebros funcionam com padrões e certezas. Quebrar o hábito de rotular as pessoas à primeira vista somente é possível através da compreensão que os outros têm experiências diferentes, únicas e válidas.
  1. Acabar com o mito de mulher incrível. Muitas mulheres se acham comuns, simples, insignificantes e sem nada para dizer. Ou elas se acham sozinhas em suas lutas, inseguranças e fraquezas. Isso é a grande mentira da mídia nacional e redes sociais. Não é necessário ter 50k seguidores para ser amada, sorrir todos os dias e ser feliz, ou publicar um livro para se ter algo a dizer. E só porque parece que todo mundo tem isso (seguidores, sorrisos, livros) não significa que você está sozinha em seus sentimentos. Você é incrível, do seu jeito, na sua vida, e é isso que esse site comprova.

Como Contribuir?

Participe!!! Priorizamos mulher que mora em São Paulo e quer compartilhar suas experiências de vida e percepções sobre o que é ser mulher.

Nunca foi entrevistada? Acha que você é “simples demais” ou não tem nada para dizer? Arrisque! Quase todas as mulheres nesse site acharam a mesma coisa, e é óbvio que elas estavam enganadas. Envie-nos uma mensagem na página de contato ou pelo e-mail  artedemulher @ gmx. com

Mande as notícias relacionadas às mulheres!!! O calendário do site é inédito e possibilita um lugar de visibilidade e fácil acesso a eventos pertinentes às mulheres. Envie eventos, cursos, oficinas, exposições, shows, palestras, lançamento de livros, etc., etc. (preferencialmente) organizados por mulheres e/ou para mulheres e/ou sobre mulheres.

Compartilhe! Leu um artigo e ficou inspirada? Ajudará a divulgar a incrível diversidade de mulheres que temos nessa cidade.

Seja respeitosa. Não concorda com uma mulher entrevistada? Acha que ela é feminista/submissa/arrogante/ignorante demais? A sua opinião tem espaço em sua casa, não necessariamente neste site. Aqui, todas as mulheres entrevistadas têm o direito de se expor e refletir sem julgamento. Qualquer comentário preconceituoso, agressivo, ameaçador será apagado.

Pergunta frequente

O projeto não tem patrocínio nem financiamento e não pretende aceitar nenhum. É um projeto visto pela fundadora, MW de Jesus, como uma forma de contribuir para a luta da igualdade no Brasil. A seu ver, a monetização de conteúdo, especialmente sobre mulheres, muitas vezes acaba tornando-se exploração e apropriação. Sem financiamento, não há possibilidade de renumeração para entrevistas ou resenhas feitas pelas freelas (e entendemos que o trabalho das freelas não é favor, então não aceitamos contribuidoras nesse momento).